Minimal e Land art

Em meados da década de 1960, alguns artistas americanos iniciam a criação de obras que apresentam várias características em comum, opondo-se ao pensamento expressionista abstrato relacionado à pintura, ao gestual e à emoção. As obras minimalistas são constituídas de formas simples e geométricas (retangulares ou cúbicas), e basicamente produzidas com materiais industriais (ferro galvanizado, aço, tubos fosforescentes, tijolos, poliestireno e chapas de cobre e tinta industrial), visando integrar a nova tecnologia à consciência artística. Além disso, as obras tendem a valorizar o equilíbrio, a simetria e no processo de elaboração.

Concebidas intelectualmente antes da execução, as obras minimalistas remetem à racionalidade de Mondrian e aos princípios matemáticos predominantes nas obras construtivistas soviéticas, incluindo o rigor abstrato e sinteticamente formal de Malevitch. A minimização da interferência do artista na criação e execução da obra, já anunciada nos ready-mades por Duchamp, também se adequa às obras minimalistas, monocromáticas, repetitivas e esvaziadas de conteúdo semântico.

As considerações acerca da escala, do reflexo, da luminosidade e do formato das obras minimalistas na relação com o lugar de exposição são muito importantes, uma vez que o ambiente reage quase como se fosse um campo pictórico. É o caso das instalações com lâmpadas fluorescentes de Dan Flavin, das obras metálicas de Donald Judd e dos objetos espelhados de Robert Morris. Todos provocando um impacto imediato no espectador, perceptivamente integrado ao espaço que circunda a obra. Já as peças de Carl André, em tijolo, madeira e metal, que se repetem horizontalmente, negam a verticalidade das esculturas tradicionais, bem como o sentido composicional que as constitui.

Os artistas Sol LeWitt e Robert Smithson também estão associados à tendência minimalista, apesar da relação com a  arte conceitual e a land-art. No caso de Smithson, as obras realizadas com formas básicas são ampliadas para a escala da paisagem, localizando-se em territórios remotos que funcionam como suporte. Como no caso de “Spiral Getty”, intervenção efêmera construída com terra, em 1970, na costa do Great Lake (Utah), questionando simbolicamente a diferença entre produção cultural e natureza.

Tanto as obras de Richard Serra quanto as de Eva Hesse, cujas produções artísticas se evidenciam no final da década de 1960, possuem  formas geométricas, elementos repetitivos, materiais industriais, e estão relacionadas ao entorno (site specific). Mas são considerados pós-minimalistas, considerado o caráter menos repetitivo e mais orgânico das obras. No caso, Serra se notabiliza pelas obras feitas de ferro sem revestimentos e em escala ampliada, desafiando as leis da gravidade. Eva Hesse, considerada precursora do feminismo, adota materiais inusitados (látex, fibra de vidro e plástico) nas obras que tendem muito mais à crítica e ao erotismo.

Vídeos

Contexto artístico americano.
Ver vídeo

Donald Judd I.
Ver vídeo

Donald Judd II.
Ver vídeo

Dan Flavin.
Ver vídeo

Robert Morris.
Ver vídeo

Bodyspacemotionthings.
Ver vídeo

Robert Morris’s, Sem Título (L-Beams- 1965).
Ver vídeo

Carl André I.
Ver vídeo

Carl André II.
Ver vídeo

Sol Lewitt I.
Ver vídeo

Sol Lewitt II.
Ver vídeo

Sol Lewitt III.
Ver vídeo

Sol Lewitt IV.
Ver vídeo

Mais vídeos

Michael Heizer, Robert Smithson e Walter de Maria.
Ver vídeo

Robert Smithson.
Ver vídeo

Robert Smithson , Spiral Jetty.
Ver vídeo

Richard Serra I.
Ver vídeo

Richard Serra II.
Ver vídeo

Eva Hesse I.
Ver vídeo

Eva Hesse II.
Ver vídeo