Renascentistas do norte europeu

Apesar de a arte renascentista ter sido originária da Itália, ela se expande para outras regiões da Europa: Flandres, Alemanha e Países Baixos. Há pontos comuns entre esses lugares distintos, uma vez que a arte liberta da fé religiosa converte-se em um meio de conhecimento do mundo exterior. Nestes países prevalecem gestos, expressões, retratos e formas naturais, diversamente da Itália, onde a representação é mais científica e racional.

Os pintores da Europa do Norte introduzem o realismo na pintura através da gradação de tons, minuciosamente elaborados a partir da observação da natureza. Com o aparecimento dos retratos, os artistas do norte colocam-se no centro do universo pictórico, muitas vezes utilizando espelhos que revelam e ao mesmo tempo escondem sempre algo do espectador.

Dentre os pintores destacam-se: Jan van Eyck, Rogier van der Weyden, Hyeronymus Bosch e Pieter Brueghel, nos Países Baixos; e Konrad Witz, Albrecht Altdorfer, Albrecht Dürer e Hans Holbein, na Alemanha.

Segundo o estudioso alemão Wölfflin, as características da pintura do Renascimento são: linearidade, planaridade, forma fechada, pluralidade e clareza. Wolfflin observa que a profundidade construída em planos distintos e sucessivos é reforçada pelo contorno bem delimitado do objeto. Cada um desses planos parece conter a cena, ordenada em torno de um eixo central. A linearidade realça por contraste uma forma da outra, privilegiando o desenho em relação à cor, ao mesmo tempo em que os efeitos espaciais de luz sustentam a proximidade ou o afastamento dos objetos. O tema adapta-se ao espaço existente, obedecendo sempre à simetria. No entanto, tendemos a perceber esse espaço como disperso e plural, de modo a realçar nitidamente cada unidade do quadro.

Vídeos

Jeronymus Bosch.
Ver vídeo

Albrecht Dürer.
Ver vídeo

Renascimento no norte europeu.
Ver vídeo
Ver vídeo
Ver vídeo
Ver vídeo

Bruegel, Torre de Babel, 1563.
Ver vídeo