Futuristas

Através de manifesto escrito pelo poeta Marinetti, publicado em 1909, o movimento futurista italiano exprime todo o seu radicalismo, rejeitando as tradições, inclusive a artística, além de todos os valores e instituições pregressas ao movimento. Como alternativa, exalta o crescente progresso industrial e tecnológico, sendo apoiado inicialmente pelos artistas Boccioni, Russolo e Carrà, e em seguida por Balla e Severini. Os temas urbanos, predominantes nas pinturas dos artistas citados, confirmam o dinamismo dos grandes centros, expressando-se de modo fragmentado a partir do conhecimento adquirido com as experiências cubistas de Picasso e Braque, dos quais Carrà e Severini eram bem próximos.

Os veementes pontos de vista expostos pelos futuristas foram sem dúvida pioneiros na arte, influenciando vários movimentos de vanguarda, entre eles o Construtivismo, o Vorticismo e o Neoplasticismo. As obras de Balla, que tendem para a abstração, se preocupam em representar o movimento a partir de experiências próprias dos recursos das imagens fotográficas. Ao explorar as relações entre cores e formas, influencia as tendências ópticas posteriormente elaboradas com rigor na Op Art. Dá-se o mesmo em relação à obra de Russolo, que explora o movimento e a energia de modo enfático.

Na escultura, opondo-se à tradição da “forma fechada” na escultura, Boccioni emprega todos os tipos de materiais (vidro, cartão, ferro, madeira, cimento, pano, espelho, etc.), indicando inclusive a possibilidade de incorporar a noção de movimento real através de motores acoplados às obras.

Na arquitetura destaca-se Antonio Sant´Elia, que sugere através de desenhos uma cidade projetada de acordo com os novos materiais e invenções de engenharia. Nos seus projetos ele nega os estilos históricos, admitindo um mundo semelhante ao que imaginamos nas ficções científicas.

Vídeos

Manifesto futurista (italiano).
Ver vídeo

Manifesto futurista (português).
Ver vídeo

Arte Futurista.
Ver vídeo