Conceituais

Em meados da década de 1960 surge uma tendência artística caracterizada pelo deslocamento do sentido tradicional do valor da arte enquanto objeto, para o conceito de arte como ideia. Este fenômeno, herdeiro de Marcel Duchamp, questiona como os ready-made o estatuto da arte, subentendendo que ela pode existir independentemente da intervenção manual do artista e desvinculada da noção de objeto.

De certo modo, a arte conceitual herda do Minimalismo a lógica, a simplicidade e a repetição. No entanto, não há no conceitualismo o aspecto formal, nem a alusão à técnica e aos materiais industriais, prerrogativas dos artistas minimalistas. Na arte conceitual é a  atitude mental (conceito) que tem prioridade em relação à aparência da obra.

Obras escritas que registram o seu processo de elaboração através da linguagem atuam como signos plásticos na arte conceitual. Exemplo disso são os artistas do grupo Art and Language (Kosuth, Barry, Weiner e Huebler), que fazem da palavra o tema e o material de aspectos do cotidiano. Do mesmo modo que a linguagem, fotos, vídeos e filmes documentam as propostas artísticas próximas das ações do dia-a-dia. Os próprios meios de comunicação, que veiculam as informações para consumo – TV, imprensa e rádio – são utilizados como mídia para a arte conceitual.

No caso, quando a linguagem e as ideias documentadas passam a ser o verdadeiro motivo da arte, o espectador é incitado a assumir uma postura menos contemplativa, participando mentalmente do processo artístico. De modo ativo, muitas vezes o espectador interfere fisicamente, de modo a complementar a obra mantida aberta em termos de significado.

Boa parte das obras conceituais é caracterizada pela arte performática e corporal. Como é o caso das performances multimídia do Grupo Fluxus, bem como dos happenings orquestrados por Jim Dine, Claes Oldenburg e Allan Kaprow. Por exemplo, no ano de 1971, Chris Burden em uma performance nos EUA dá um tiro no próprio braço, deixando-se crucificar no capô de um Volkswagen. Tudo isso documentado fotograficamente, já que é o fato em si que importa na obra, repercutindo na mente das pessoas.

Vídeos

Obras com palavras.
Ver vídeo

Joseph Kosuth I.
Ver vídeo

Joseph Kosuth II.
Ver vídeo

Robert Barry.
Ver vídeo

Lawrence Weiner I.
Ver vídeo

Lawrence Weiner II.
Ver vídeo

Lawrence Weiner III.
Ver vídeo

Grupo Fluxus I.
Ver vídeo

Grupo Fluxus II.
Ver vídeo

Mais vídeos

Happenings.
Ver vídeo

Alan Kaprow I.
Ver vídeo

Alan Kaprow II.
Ver vídeo

Joseph Beuys.
Ver vídeo

Jenny Holzer I.
Ver vídeo

Jenny Holzer II.
Ver vídeo

Jenny Holzer III.
Ver vídeo

Barbara Krueger I.
Ver vídeo

Barbara Krueger II.
Ver vídeo