Neoexpressionistas

Na década de 1980 ocorre uma nova tendência da pintura (Neoexpressionismo, Figuração Livre, Transvanguarda e Nova Imagem), que abrange países tais como: Alemanha, França, Itália e América do Norte. Também no Brasil, a produção carioca da Geração 80 (Parque Lage) e a dos paulistas da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado) compactua com as mesmas tendências internacionais, ao admitir a apropriação e a mescla de imagens provenientes da tradição e da cultura de massa. No caso, utilizadas em pinturas que ressaltam o padrão decorativo e a figuração narrativa, as imagens nas telas tanto podem vir da história da arte, da arte popular, dos bancos de dados, quanto do meio urbano contemporâneo (indústria, mass media).

As obras do americano Julian Schnabel, por exemplo, combinam painéis, fotografias e símbolos religiosos em superfícies que forçam o espectador a se confrontar com o processo de feitura do quadro. Já David Salle combina imagens de várias fontes, justapondo cartoons, fotos, pinturas famosas e desenhos, deixando claro que entre as imagens pode não existir nenhuma relação evidente.

A arte dos anos 80 desafia a crença modernista em uma arte transcendental e universal, enfatizando minorias sexuais e étnicas. Artistas que se definem como feministas e gays assumem uma clara postura anti-ideológica, enquanto outros denunciam as dinâmicas da autoridade e os processos consumistas da comunicação de massa.  Na América do Norte, além dos já citados Schnabel e Salle, destacam-se neste período: Cindy Sherman, Barbara Krueger, Jenny Holtzer e Lucy Lippard. Na Alemanha, citam-se os neoexpressionistas: Anselm Kiefer, Sigmar Polke, Markus Lüpertz, Georg Baselitz, A. R. Penck e Gerard Richter, além de Hans Adamski, Walter Dahn, Wiener Büttner e Gerard Kever, que aderem ao movimento um pouco mais tarde. Na Itália, a Transvanguarda congrega: Sandro Chia, Mimmo Paladino, Francesco Clemente e Nino Longobardi, só para citar alguns.

No Brasil dos anos 80, jovens artistas cariocas e paulistas produzem obras que propõem uma releitura do panorama contemporâneo da arte internacional. Pautada pela redescoberta do prazer de pintar, as obras também consideram a variedade de discursos superpostos nas telas, exigindo atenção reflexiva por parte do espectador. Porém, alguns artistas desta geração, que não se restringem à pintura, ocupam outros espaços, tais como as paredes e os muros da cidade, ou se adequam a outros suportes, como vídeos, filmes, cópias xerox, etc. Dentre estes artistas destacam-se: Leda Catunda, Beatriz Milhazes, Daniel Senise, Nelson Felix, Luiz Pizarro, Leonilson e Nuno Ramos.

Vídeos

Anselm Kiefer I.
Ver vídeo

Anselm Kiefer II.
Ver vídeo

Gerhard Richter.
Ver vídeo

Sigmar Polke I.
Ver vídeo

Sigmar Polke I.
Ver vídeo

Marcus Lupertz.
Ver vídeo

Georg Baselitz.
Ver vídeo

Julian Schnabel I.
Ver vídeo

Julian Schnabel II.
Ver vídeo

Mais vídeos

David Salle.
Ver vídeo

Jean Michel Basquiat I.
Ver vídeo

Jean Michel Basquiat II.
Ver vídeo

Jean Michel Basquiat e Andy Warhol.
Ver vídeo

Mimmo Paladino.
Ver vídeo

Francesco Clemente I.
Ver vídeo

Francesco Clemente II.
Ver vídeo

Nino Longobardi.
Ver vídeo

Sandro Chia.
Ver vídeo

Leda Catunda I.
Ver vídeo

Leda Catunda II.
Ver vídeo

Beatriz Milhazes.
Ver vídeo

Daniel Senise.
Ver vídeo

Nuno Ramos.
Ver vídeo

Leonilson I.
Ver vídeo

Leonilson II.
Ver vídeo

Adriana Varejão.
Ver vídeo

Tunga.
Ver vídeo