Fotografia

Na década de 1840, uma nova técnica – que consiste na captura de imagens projetadas pela luz através de uma câmera, e na gravação dessas imagens em uma superfície sensível – irá revolucionar o mundo das artes. Embora ainda levasse um século para ser aceita como manifestação artística, os primeiros daguerreótipos chamam a atenção e a curiosidade do público pela possibilidade de suplantar a arte representacional, até então considerada atributo exclusivo da pintura.

Apesar de a sua origem remontar aos chineses, a reprodução de imagens através de um aparelho óptico que se utiliza da luz (câmera escura) foi amplamente utilizada pelos artistas renascentistas, no século XVI. Curiosamente, até o século XIX tudo o que a câmera reproduziu se assemelhava à pintura, sejam paisagens, cenas da vida urbana, elementos da natureza ou retratos. Graças à aceitação do público, os artistas começam a explorar criativamente essa técnica, investigando os efeitos da luz, do movimento, dos ângulos e das imagens.

Mesmo com os processos digitais contemporâneos, continua sendo necessária a posse de uma câmera – instrumento que forma a imagem, e o uso do cartão de armazenamento atual, substituindo o filme fotográfico – dispositivo de gravação dessa imagem. Pois é através da câmera que o fotógrafo controla o resultado do objeto fotografado, considerando o enquadramento, posicionamento, foco, distância e quantidade de luz. Na prática, o uso fotográfico se expandiu para o registro de memórias, para fins de identificação ou para investigações científicas. Isso tudo graças à precisão técnica, bem maior que a do olho humano, permitindo registrar tudo aquilo que nos escapa, inclusive as dimensões do micro e do macro.

Assim como o desenho, a fotografia oferece um registro visual de observações, mas sem depender do artista para copiar a imagem projetada dentro da câmera. Ao capturar a realidade instantaneamente, a imagem fotográfica pode reinterpretá-la. No registro das obras efêmeras, ou como forma de arte em si, a fotografia é um instrumento cada vez mais utilizado pelos artistas contemporâneos, em obras que eventualmente podem se conjugar a outras técnicas.

Fotograma

O fotograma é uma imagem direta que prescinde de câmera fotográfica. Essa imagem é obtida através da exposição à luz de objetos bi ou tridimensionais, colocados sobre um papel fotossensível. Em princípio, essa experiência visa à investigação e à experimentação dos fenômenos luminosos. Apesar de parecer simples, ela necessita da habilidade do artista em captar as distorções, contrastes e gradações de luz e sombra manifestas na imagem. Por permitir que as imagens capturadas não se aproximem da realidade conforme nós a percebemos, o fotograma é, e foi, muito utilizado como expressão criativa do processo fotográfico, manifestando a representação de um mundo sem comparação com aquele capturado pela câmera fotográfica.

Fotomontagem

Desde a invenção da fotografia e do desenvolvimento de outras tecnologias, o campo das artes visuais expandiu suas possibilidades e modos de manifestação. A fotomontagem, que é uma arte baseada em edição de imagens, na verdade cria uma nova imagem através da união de várias fotos já existentes. Para isso existem diversas técnicas. A colagem, por exemplo, muito utilizada por cubistas e dadaístas, consiste basicamente no recorte de imagens já reproduzidas em jornais e revistas, remontadas de acordo com a intenção do artista. Na arte Pop, o mesmo ocorre com imagens reproduzidas do cotidiano ou relacionadas ao mundo do consumo. Hoje em dia, com a introdução de computadores, de softwares específicos e de scanners, a prática da colagem e da fotomontagem fica muito mais fácil e acessível, podendo inclusive acrescentar efeitos e colorações às imagens criadas.

Vídeos

História da fotografia.
Ver vídeo

Daguerreotipo.
Ver vídeo

Câmera obscura.
Ver vídeo

Fotografia, técnica.
Ver vídeo

Fotografia estenopeica.
Ver vídeo

Fotografia, pós-mortem.
Ver vídeo